Fotos: Mirella Weingarten 

Direcção Musical:  Gerhardt Müller-Goldboom
Encenação:   Cornelia Heger 
Electrónica em tempo real:   Andrè Richard, Thomas Hummel, Joachim Haas e Reinhold Braig
Cenários e Figurinos:   Mirella Weingarten
Desenho de Luzes:  Urs Hildebrandt
Bailarinas:   Ariane Funabashi, Lina Kukulis, Sina Nikolaus, Rachel Oidtmann, Paula Scherf, Laura Weiss e Annika Wiessner
Vozes:   Vocalconsort Berlin
Orquestra:   Work in Progress Berlin
Experimentalstudio des SWR Freiburg

Assistente de Encenação / Coreografia:  Angelina Jankova
Assistente de Encenação:  
Ines Thomas Almeida


"uma obra de arte total, brilhantemente conseguida", assim descreveu o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung a Musiktheater-Passion "...22,13..."(em português algo como Paixão / Drama Musical)  do compositor francês Mark Andre. Peste negra medieval, uma partida de xadrez contra a morte ou contra o computador Deep Blue: "...22,13..." remonta ao Livro do Apocalipse e é uma parábola sobre a passagem para um outro estado, sobre as fronteiras do poder e da fragilidade, vida, sofrimento e morte, linguagem, música e silêncio. A primeira estreia de ópera de 2010 em Berlim!

Mark Andre
Mark Andre estudou análise, composição, contraponto, harmonia e investigação musical com Claude Baliff, Gérard Grisey no Conservatoire National Supérieur de Musique de Paris, onde ganhou seis premier prix e se formou em 1992. É doutorado em musicologia com a tese Le compossible musical de l'Ars subtilior, tese feita sob a supervisão de Olivier Boulnois e Philippe Vendrix na École Normale Supérieure de Paris (Ulm-Jourdan) e no Centre d'Études Supérieures de la Renaissance de Tours em 1993.
Estudou depois composição com Helmut Lachenmann na Staatliche Hochschule für Musik und darstellende Kunst in Stuttgart entre 1994-97 e frequentou cursos em Darmstadt em 1996, onde conheceu Wolfgang Rihm.

Entre as distinções que recebeu contam-se a residência na Akademie Schloss Solitude (1995-96), o Prémio de Composição da cidade de Stuttgart (1996, por Le trou noir univers), o Prémio Blaue Brücke Preis (1996, por Fatal), uma residência na Villa Médicis-hors-les-murs na Alemanha (1996), o Prémio de Composição Kranichsteiner Musikpreis de Dramstadt (1996, por Un-Fini e le loin et le profond), e uma bolsa para trabalhar com o Experimentalstudio da Heinrich-Strobel-Stiftung em Freiburg im Breisgau (1997-98). Mais tarde recebeu uma residência na Villa Médici em Roma (1999-2001) e o Prémio Internacional de Composição da Ópera de Frankfurt am Main (2001, por ...das O... da peça ...22,13...) e o Prémio da Ernst von Siemens Stiftung (2002). Recentemente trabalhou como convidado no Berliner Künstlerprogramm do Deutscher Akademiker Austauschdienst (DAAD, 2005) e ganhou o Prémio de Composição Christoph und Stefan Kaske (2006), o Produktionspreis do Giga-Hertz-Preis para Música Electrónica (2007), o Orchesterpreis der Donaueschingen Musiktage (2007, por ...auf... III), e o Prémio Especial do Berliner Kunstpreises da Academia da Artes de Berlim (2008).

Ensinou em Darmstadt em 1998 e na Staatliche Hochschule für Musik in Frankfurt am Main em 2001. Ensina contraponto e instrumentação no Conservatoire National de Région de Strasbourg desde 2002.

A sua música escrita entre 1994-96 é publicada pela Carus-Verlag, a Casa Ricordi publica as suas obras entre 1996-2005 e as Edições Peters publicam a sua obra escrita após 2005.